ETC

Jornal Electrónico do Agrupamento de Escolas de São Bernardo

Arquivo de Maio, 2008

Visita De Estudo em Terras de Santa Maria

No dia 24 de Janeiro de 2008, todas as turmas do 5º ano, da EB 2,3 de São Bernardo, saíram para uma visita de estudo a Santa Maria da Feira. O castelo e o Visionárium eram os locais a visitar.
Depois da chegada e de um pequeno lanche, e já dentro do Castelo, assistimos a um filme que mostrava o castelo e alguns objectos antigos nele descobertos, tais como louças de barro, moedas, ferramentas… De seguida, fomos a um subterrâneo onde vimos uma cisterna e as peças encontradas pelos descobridores. Visitámos, ainda, diferentes torres: a torre dos prisioneiros, a torre da tortura e a torre da lenha. Passámos, também, num grande salão de festas que tinha duas lareiras enormes e era aí, com certeza, que o rei almoçava e jantava, enquanto os bobos divertiam toda a corte. Tivemos o privilégio de conhecer a capela e uma casa de banho do tempo dos reis.

Chegada a hora de almoço, regressámos ao autocarro e seguimos para o Visionárium. Aí, aproveitámos as instalações do parque para almoçar e também para brincar.
No Visionárium, assistimos a um filme que nos explicou o que iríamos ver nas diferentes salas. A primeira sala foi a do Corpo Humano. Havia informações sobre os ossos, os músculos e a composição de um olho e de um ouvido. De seguida, fomos à sala do Universo onde pusemos um foguetão a descolar numa rampa de lançamento e fizemos muitas outras experiências sobre a gravidade. Depois, fomos para a sala da Informação onde vimos os computadores e tudo o que está relacionado com informática. Havia um computador que nos fazia perguntas e nós só tínhamos que responder sim ou não. Havia outro computador que mandava uma mensagem do espaço e, se eu me lembro, era “O dia não conhece a noite e a noite desconhece o dia”. Visitámos, também, a sala dos Cinco Sentidos onde fizemos experiências sobre o Olfacto, a Visão, o Tacto, o Paladar e a Audição. Para testarmos o nosso Olfacto, cheirámos alguns frascos que continham aromas de diferentes plantas. Relativamente à Audição, o teste consistia em descobrir diferentes sons emitidos por um CD. Para a Visão, tivemos que identificar e associar as folhas às respectivas árvores. Quanto ao paladar, tivemos que provar diversos alimentos e descobrir a que é que sabiam. Finalmente, para o tacto, nós tocávamos em sementes e tentávamos descobrir a que plantas pertenciam. Visitámos a sala do Caracol para medirmos a sua força e ver onde se situavam os seus olhos e a sua boca. Para medirmos a força que o caracol tinha, prendemos uma faixa ao mesmo e colocámos, em cima da faixa, umas fichas de metal que pesavam um grama. O número de fichas colocadas em cima da faixa indicou-nos a força que o caracol tinha. Para vermos onde se situavam os olhos e a boca do caracol, recorremos ao uso de uma lupa.


Gostei muito da visita de estudo porque me permitiu, de uma forma divertida, conhecer um pouco do passado e ajudou-me a compreender melhor alguns aspectos da ciência e do corpo humano.

Eduardo Simões Araújo, 5º E, Nº7


Visita de Estudo ao Castelo de Santa Maria da Feira e Visionarium


No dia 24 de Janeiro, saímos da Escola dos 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico de S. Bernardo às 8:45 e chegámos a Santa Maria da Feira por volta das 9:30. Quando saímos do autocarro, fomos ver o Castelo.
O Castelo é muito bonito e antigo. Lá, pudemos visitar a Praça de Armas, Torre de Menagem, Torre do Poço, Tenalha, Torre de Casamata e a Capela.
A sua origem está no séc. X, isto é, antes da constituição de Portugal. Habitaram-no os Muçulmanos e depois os Cristãos, antes da formação de Portugal. Mais tarde, foi habitado pelos Portugueses.
Ex-libris de Santa Maria da Feira, é considerado como um dos exemplos mais completos da arquitectura militar medieval portuguesa, uma vez que nele se encontra representada a vasta gama de elementos defensivos empregados nesse período.
Depois de almoçarmos, visitámos o Visionarium por volta das 13:30. Fomos divididos em grupos e entrámos na Mini-Oficina ”Viagem ao interior das Plantas”.
Depois da observação de um filme, fomos separados em 5 grupos e cada grupo relacionado com um dos cinco sentidos. Através de experiências relacionadas com os sentidos, aprendemos a descobrir a grande diversidade que há de plantas e a sua importância na nossa vida.
A seguir, fomos para a Mini–Oficina “À volta do Caracol“. Foi a actividade que nós gostámos mais. Lá mostraram-nos um caracol chamado Hélix Aspersa. A sua alimentação é variada: come alfaces, ervas, couves, etc, por isso é um herbívoro. Os seus predadores são: galinhas, seres humanos, caranguejos, etc.
O caracol é constituído por quatro antenas: as de baixo para o tacto e as de cima têm os olhos; também é constituído por uma concha. O habitat do caracol é numa horta ou num jardim. O caracol é ovíparo. Ele desloca-se por ondulações e deita muco que é uma espécie de baba pegajosa que o faz rastejar.
Por fim, visitámos as salas “Odisseia do Universo”, “Odisseia da Terra” e “Odisseia da Vida”.
Por volta das 18:00, partimos de Santa Maria da Feira em direcção a S. Bernardo e chegámos por volta das 18:40.
Gostámos muito desta visita de estudo.

Alunos do 5º D

O compostor

Nós, os Eco-Mosqueteiros da Escola do 1º Ciclo de São Bernardo, da sala 2, do 2ºano, alunos da professora Helena, participámos com os alunos do 4ºano da professora Lúcia, na abertura do compostor da escola. Foi no dia 11 de Fevereiro, segunda-feira.
Com a professora Lúcia, aprendemos coisas muito importantes sobre o compostor.
O compostor é uma caixa sem fundo que serve para colocar lixo orgânico: ervas daninhas, cascas de fruta e das batatas, folhas secas, cascas de ovos, restos de vegetais, plantas murchas, saquetas de chá, borras de café, pequenos pedaços de papel de jornal ou absorvente, aparas de madeira e alguma terra e cinza.
Não devemos colocar restos de comida, cascas de citrinos (laranja, limão, tangerina, lima…), espinhas, ossos, plantas doentes, doces, restos de fruta tropical e embalagens.

Os resíduos orgânicos colocados no compostor, passado algum tempo, transformam-se em terra fértil (composto) para as plantas.
Para ajudar o Ambiente, podemos todos construir ou comprar um compostor, colocá-lo no quintal ou no jardim, para transformarmos o lixo orgânico em terra fértil e assim Reduzir o lixo no nosso Planeta.

Trabalho elaborado pela turma SB2B, 2º ano

Uma aventura na Aldeia Medieval

Quando, eu, o João e o Orlando, percorríamos as ruas da aldeia, ouvimos uma conversa entre os servos da gleba que, naquele dia, era dia de feira, como acontecia mensalmente.
Decidimos visitá-la e o Orlando reparou que havia muitas pessoas a fazer trocas de produtos.
Nesta feira, encontrámos um sapateiro que estava a cozer sapatos para efectuar trocas, conversámos com ele e levou-nos a sua casa para nos mostrar outros produtos manufacturados, que adquiriu com a troca de sapatos, tais como tecidos, armas, adornos e couro. E pernoitámos na casa dele.
No dia seguinte, resolvemos sair dali, então, dirigimo-nos em direcção à floresta, onde encontrámos um rio, um barco e o barqueiro que nos levou até à outra margem.
Na margem onde nós estávamos, havia um castelo. Dirigimo-nos para lá e encontrámos a máquina do tempo na qual entrámos e regressámos ao século XXI.

Trabalho realizado por:
Cláudia Sofia Leitão Álvares
Nº 4 5º E Ano lectivo 2007/08

As minhas histórias…

As minhas histórias são sonhos,
Sonhos de fadas, duendes, príncipes e castelos encantados.
Princesas encantadas que beijam sapos,
E esses sapos transformam-se em príncipes,
E esses príncipes são filhos de reis,
E esses reis são donos de um palácio,
no meio desses palácios existem florestas,
E nessas florestas existem cavaleiros.
Esses cavaleiros estão montados nos seus cavalos,
e estes, por sua vez, encontram éguas,
E vivem felizes para sempre!

Nome: Carolina Lacerda Carvalho
Turma: SB34B, EB1 de São Bernardo
Professor: Marco Aurélio Neves

Andar a pé em São Bernardo.

Andar a pé em São Bernardo pode-se tornar numa aventura muito perigosa, ao contrário do que era desejável, pois todos sabemos que andar a pé faz bem à saúde, é mais ecológico e mais económico. Mas os problemas de andar a pé, em São Bernardo, são muitos: poucos passeios, os que há, por vezes, estão ocupados com carros e caixotes do lixo, estradas mal desenhadas, estradas com buracos que, quando chove, se enchem de água e impossibilitam a circulação de pessoas, falta de respeito pelo peão e ciclista, automóveis a ultrapassar os limites de velocidade. O perigo de sermos atropelados é muito grande, no entanto, há alunos na escola que não tendo possibilidades têm que se deslocar a pé para a escola. Será que a autarquia não podia olhar mais para os peões / ciclistas e menos para os automóveis? Para isso, propomos que construam passeios em todas as ruas, reservem uma faixa para os ciclistas e, se for necessário, ponham só um sentido nas ruas. Pode ser que, assim, as pessoas andem mais a pé.

Rui Leite 5ºD Nº24

Adivinhas

1- O que é, o que é que
ele queima e ela canta?
É o cigarro e a Cigarra.

2- Somos diferentes uns dos outros,
entramos sempre de esguelha,
numa casinha sem telha
É o botão.

3- O que só três letras
e acaba com tudo?
É o fim.

4- O que pode fazer com que o
homem mais importante se curve?
É a porta baixa.

5- O que é que tem cinco dedos sem carne
e sem unhas?
São as luvas.

6- Que números estão sempre
acompanhados?
São os pares.

7- Que animal tem capacidade de mudar
de cabeça?
É o piolho.

Tirado da revista”Amiguinhos” nº203 de Agosto 2003.
Trabalho feito por: Diana Filipa Costa Fernandes nº6 5ºE